“Não há vivos, há os que morreram e os que esperam a vez.”
~ C. Drummond de Andrade    (via romeuemcrise)

“Veja, os céus tem um plano pra você.”
~ Don’t You Worry Child.     (via romeuemcrise)

“O mundo não é uma fábrica de realização de desejos.”
~ A Culpa é das Estrelas.   (via ironicallygirl)



“É, eu consegui te perder. Te perdi de todas as maneiras que possa se perder alguém. Quando eu mais precisei me dei conta que você já não estava mais aqui. E a culpa foi minha. Nunca reparei em seus sinais. Não percebi que você não estava feliz ao meu lado. Eu fui egoísta demais, a ponto de querer ser amado e nunca te amar como você realmente merecia. Agora eu colho o que plantei. Reconheço meu erro e o assumo. Me dói ter percebido isso tarde demais e não poder fazer nada. Agora não confias mais em mim, eu sinto isso. Eu também não confiaria, aliás, confiança é algo que se perde uma vez e geralmente não tem volta. E em meio a essa imensa dor aqui no meu peito, te deixo livre pra ir. Vai, encontra alguém melhor que eu. Encontra um alguém que te ame como eu nunca amei. Ou se amei, não demonstrei. A dor que sentiste, sinto agora. Talvez ela não passe tão cedo. Se um dia passar, prometo não cometer mais esse erro. Porém o difícil vai ser me acostumar com a ideia de não te ter mais em meus braços. Te perdi pra sempre. Sei que meu clamor não te trará de volta. Mais saiba que te amo, isso mesmo. Seja do meu jeito tosco ou não. Esse sentimento é verdadeiro, agora só me resta te procurar em outros lugares, em outras músicas e até um outro alguém. Se é que isso é possível.”
~ irracionavel & enlacei. (via irracionavel)

“Eu
Você
E o barulho da chuva no teto.”
~ Velhos Hábitos. (via delator)

“Mesmo que a gente dê errado, mesmo que a gente não seja certo um pro outro. É a minha bagunça que tu curte, são tuas complicações que eu gosto. Não dá pra entender, mas é isso que a gente é.”
~ Robin and Stubb.   (via delator)

“Se seus olhos falassem, o que diriam?”
~ A menina que roubava livros.  (via delator)

“Você tá aí, quieta demais, e vem me olhar com essa cara de quem não imaginava, de quem nunca imaginou, que um dia eu iria embora. Tá aí me encarando descrente como sempre fez. Lançando um olhar de reprovação doloroso que duvida de mim. Duvida de mim e duvida de tudo o que eu já fiz, já passei, já corri e já deixei por você. Dessa vez eu bato a porta e apago a luz, dessa vez eu selo a carta e endereço pro lugar certo, dessa vez não tem mais “outra” na frente pra relembrar das segundas chances.”
~ Daniel Bovolento (via delator)